nov 17

VI Encontro Estadual de História

O encontro, a ser realizado no Campus de Bacabal, se demonstra como um dos mais significativos eventos periódicos do Estado, e um dos mais importantes do Norte e Nordeste. Será um espaço de apresentação e discussão de pesquisas e temas em História com objetivo de reunir pesquisadores, professores e estudantes dos diferentes níveis de ensino.

VI Encontro Estadual de História

 

O evento é promovido pela Associação Nacional de História (ANPUH) – Regional do Maranhão, em parceria com o Colegiado de Ciências Humanas do Campus de Bacabal, o Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Maranhão, e ainda com o Departamento de História e Geografia e o Programa de Pós-Graduação em Ensino, História e Narrativas da Universidade Estadual do Maranhão.

Inscrições e maiores informações:
http://www.anpuhma.com.br/viencontro

jul 25

Alunas de Licenciatura em Ciências Naturais oferecem formação continuada para professores de ciências

Aconteceu nesta quinta-feira (24), no Laboratório de Química da UFMA – Campus Bacabal, uma Formação Continuada para 22 professores de ciências, do ensino fundamental maior, da Rede Pública de Ensino. Esta formação é resultado de um projeto de extensão desenvolvido durante o período de setembro de 2013 a julho de 2014, pelas alunas Débora Samir Conceição de Souza e Wesliany Everton Duarte, sob coordenação da professora mestra Daiane Fossatti Dall’Oglio.

?????????? ??????????

O intuito, ao oferecer uma formação para os docentes da educação básica, é reforçar a ideia da inclusão da experimentação no ensino fundamental. Já se discute há tempos a importância de incluir práticas experimentais no currículo, devido o seu papel investigativo e pedagógico em auxiliar os alunos no entendimento dos fenômenos e na construção dos conceitos, porém essa metodologia ainda é pouco observada nas escolas.
Durante a formação foi apresentado aos participantes uma apostila contendo 23 experimentos, voltados para o ensino de ciências, que utilizam materiais de baixo custo e de fácil acesso no comércio local. O material foi produzido pensando nos professores que são curiosos e ávidos por experimentos, explicações e fatos relacionados com a disciplina de ciências, para que possam realizá-las com seus alunos mesmo que não possuam um laboratório nas escolas onde atuam.

?????????? ??????????

Segundo a profa. Daiane Dall’Oglio, ao planejar as aulas experimentais é importante que o professor de ciências garanta um espaço de reflexão, desenvolvimento e construção de ideias. Um simples experimento, onde haja um roteiro contendo apenas materiais e procedimentos, pode ser transformado em uma atividade investigativa dependendo da abordagem do professor. A professora enfatiza ainda que, o docente precisa envolver os alunos em uma investigação científica, encaminhando-os para uma aprendizagem significativa, tanto do ponto de vista da problematização como da organização do conhecimento científico.

Os integrantes do projeto acreditam que o material produzido, se acompanhadosde outras ações como observar, refletir, debater e descrever servirá como alicerce para a compreensão do pensamento científico e contribuirá para que alunos da educação básica desenvolvam mais atitudes de investigação diante do mundo a sua volta. Os professores participantes da educação básica aprovaram a iniciativa e esperam que a UFMA ofereça mais ações de interação universidade-escola..

?????????? ?????????? ?????????? ?????????? ?????????? Oficina1

jul 17

MOMENTO HISTÓRICO NO CAMPUS III BACABAL

Ontem, dia 16 de julho de 2014, aconteceu a primeira de defesa de monografia do Campus III. A aluna Cláudia Silva Lima, do curso de Licenciatura em Ciências Humanas, defendeu o trabalho intitulado “A TRAJETÓRIA DE IRMÃ DOROTHY MAE STANG COMO PROCESSO DE RESISTÊNCIA”, com orientação do Professor Clever Luiz Fernandes. A banca examinadora foi composta pelos docentes Cíndia Brustolin e Márcio Javan Camelo de Lima.

Aluna Cláudia Lima

Aluna Cláudia Lima

No trabalho discute-se a trajetória de Irmã Dorothy Mae Stang, assassinada em Anapu-PA em 2005, como processo de resistência frente ao poder do latifúndio. Uma trajetória constituída como arte de viver na busca cotidiana pela resistência, enfrentamento, identidade e liberdade de si mesma. Dorothy utiliza-se de estratégias de ação, no embate aos processos de dominação em que estava submetida, na busca pela defesa da Amazônia, dos PDS; (Projeto de Desenvolvimento Sustentável) dos pobres do campo, muito além das formas majoritárias da lógica dominante estabelecidas pelo dito desenvolvimento econômico. Após sua morte, a memória, torna-se resistência dentro dos PDS, que se tornam elo de resistência, luta, atuação e conflito contra aqueles que mantêm o poder político e econômico na região da transamazônica.

Texto: Clever Luiz
Revisão: Karl M. S. Garcez
Fotos: Domingos Pereira Filho

Aluna junto a banca

Aluna junto a banca

foto2

jul 07

Formação Continuada para Professores de Ciências da Rede Pública de Ensino

Alunas do Curso de Licenciatura em Ciências Naturais oferecem, no dia 24/07/2014, Formação Continuada  para Professores de Ciências da Rede Pública de Ensino.

Esta formação é parte do Projeto de Extensão desenvolvido em 2013-2014 e consiste na apresentação de um caderno pedagógico, voltado para esse público, contendo práticas experimentais desenvolvidas com materiais alternativos (de fácil aquisição e baixo custo) que busquem a melhoria da aprendizagem no Ensino de Ciências.

 

folder_curso

Inscrições clique aqui

https://docs.google.com/forms/d/1RG67KNZ44AZax6AKvErBJnEK4rt9vPz8XELXw_MYmms/viewform?usp=send_form

abr 15

Curso de Ciências Naturais recebe conceito 3 em avaliação do MEC

O curso de Licenciatura em Ciências Naturais – Física recebe conceito três em sua primeira avaliação por comissão do Ministério da Educação (MEC).

A comissão esteve presente no campus de Bacabal nos dias 10 e 11/04, onde avaliou aspectos como a infraestrutura física do prédio e o projeto político-pedagógico do curso. Além disso, a comissão reuniu-se com corpo docente e discente do curso.

O coordenador do curso, Karl Garcez, afirma “Estou muito feliz com o resultado, acho que foi bastante positivo. Mas ainda existem pontos para melhorar e com certeza conseguiremos pois temos professores e alunos envolvidos com o curso”.

nov 20

Cobertura do Encontro Acadêmico do Campus III

Iniciou no dia 20/11, no auditório do campus de Bacabal, o II Encontro Acadêmico do Campus III. Na cerimônia de abertura, o diretor do campus prof. Me. Márcio Camelo, destacou a importância do evento para expansão da UFMA no interior. O evento iniciou com a palestra “África: Identidade, Diferença e Cidadania”, proferida pelo prof. Dr. Evaldo Barros.

 

Segundo dia do evento

A tarde houve apresentação de diversas comunicações orais,  os autores em sua maioria eram alunos do campus Bacabal, mas vale destacar a apresentação de alunos do CESB-UEMA e FEBAC. Houve ainda a  palestra “A Origem dos Elementos Químicos”, ministrada pelo prof. Dr. Jaldyr Varella.

Durante a noite, o encontro encerrou com a Mesa Redonda “Os desafios da expansão do ensino superior no MA”, com os professores do campus: Leonardo Coimbra e Karl M. Garcez. O prof. Me. Leonardo Coimbra relacionou a expansão universitária com a política neoliberal e suas implicações. O prof. Dr. Karl Garcez, destacou como o número de alunos no ensino superior em Bacabal ainda está defasado em relação ao Brasil.


Último dia do Encontro Acadêmico

Durante todo o dia 22/11, aconteceu no hall do campus a exposição de cerâmicas arqueológicas, as peças pertencem ao acervo do “Centro de Pesquisa de História Natural e Arqueologia do Maranhão”. A tarde, o evento inicia com sessão de apresentação de posteres. Em seguida acontece a palestra do prof. Deusdédit Carneiro sobre a Arquelogia no Maranhão.

A noite o evento encerra com palestras dos professores Elidio Guarçoni e Clever Fernandes. Em sua palestra, o Prof. Me. Elidio Guarçoni demonstrou alguns resultados da sua pesquisa sobre a flora bacabalense. Em sua fala, o professor afirmou ser inadmissível que o município de Bacabal não possua uma área de preservação ambiental.

A palestra do Prof. Me. Clever Fernandes, tratou da vida e pensamento do filósofo Espinosa. O prof. comentou a visão do filósofo holandês sobre os gêneros do conhecimento, e ressaltou a relação da liberdade com o conhecimento.

 FOTOS (por K. M. S. Garcez)

Foto0365 Foto0366 Foto0367 SAM_0015 SAM_0028 SAM_0029 SAM_0031

nov 08

Novos cursos a partir de 2014

A Universidade Federal do Maranhão divulgou (UFMA), ontem (07/11), os novos cursos de graduação que deverão ser implantados nos Câmpus do continente, a partir do segundo semestre de 2014.

Segundo o Reitor Natalino Salgado Filho, as cidades de São Bernardo, Grajaú, Pinheiro, Codó e Bacabal terão novas graduações que, juntas, somarão 500 novas vagas oferecidas a cada semestre. Estes novos cursos fazem parte da proposta de consolidação dos Câmpus, e já nascem contemplados com recursos para contratação de novos professores e equipamentos.

O Campus de Bacabal será contemplado com os cursos de Enfermagem, Nutrição e Educação do Campo, graduações importantes, segundo o reitor, para criar a base necessária para a implantação, a partir de 2015, de um curso de medicina na região, já prevista no planejamento da UFMA e também do MEC.

 

FONTE: http://portais.ufma.br/PortalUfma/paginas/noticias/noticia.jsf?id=42544

nov 07

Campus de Bacabal participa do Fórum de Graduação

Termina hoje (07/11), o Fórum de Graduação da UFMA. O evento ocorre no Centro Pedagógico Paulo Freire, situado no Campus de Bacanga.

Os professores e alunos do campus de Bacabal participaram efetivamente dos Grupos de Trabalho (GT) do Fórum, sobretudo no GT8: “Expansão e Interiorização” . Neste GT, foram discutidos os avanços e inúmeros desafios encontrados nos campi do continente.

banner_forum

nov 07

Grupo de pesquisa é credenciado no CNPQ

Um novo grupo de pesquisa do Campus de Bacabal está credenciado no Diretório dos Grupos de Pesquisa do Brasil (CNPQ). O grupo é denominado NEÁFRICA: Núcleo de Estudos, Pesquisa e Extensão sobre África e o Sul Global. Trata-se da formalização de um conjunto de ações, que envolvem dezenas de estudantes dos câmpus de Bacabal e do Bacanga, da UFMA, e também da Universidade Estadual do Maranhão. Essas ações vêm sendo coordenadas pelo professores Dr. Antonio Evaldo Almeida Barros e Dra. Viviane de Oliveira Barbosa, em parceria com a Profa. Dra. Tatiana Raquel Reis Silva, do departamento de História da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), e com o Prof. Msc. Reinaldo dos Santos Barroso Júnior, do depto. de História da Universidade Estadual do Piauí.

O NEÁFRICA se ocupa com o continente africano, particularmente, África do Sul, Moçambique, Guiné Bissau e Cabo Verde, discutindo questões como memória, cidadania, relações de gênero, movimentos sociais e trocas comerciais. Além disso, no NEÁFRICA se entende que os mundos sul-americano e africano podem e devem ser pensados como partes integrantes de um conjunto, o Sul Global, onde não há uma rígida separação, por isso se valorizam trabalhos que pretendem observar fluxos e comparar movimentos e contextos históricos dos dois lados do Atlântico Sul.

Atualmente, dentre os projetos do grupo, destacam-se:

 

  • “Ao ritmo de Bumbas e Timbilas: Patrimônio, Educação e Cidadania no Maranhão e em Inhambane”, projeto de pesquisa financiado pelo CNPQ, no qual se visa comparar o processo de patrimonialização da chamada cultura popular em Moçambique e no Maranhão.
  • “Memória e Nação na África do Sul”, projeto vinculado ao PIBIC/UFMA, que objetiva estudar a vida, a obra e as representações sobre o político e intelectual sul-africano, fundador do Congresso Nacional Africano, o zulu John Langalibalele Mafukuzela Dube (1871-1946).
  • “Memórias e Culturas Negras”, financiado pela FAPEMA e pela Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Governo Federal, através do qual se está fazendo a catalogação, digitalização e difusão de entrevistas e depoimentos de homens e mulheres negros, particularmente trabalhadores e idosos, da região do Médio Mearim maranhense, bem como um mapeamento de terreiros de diversos municípios maranhenses, o que, em 2014, será disponibilizado no site do Museu Afro-Digital do Maranhão.
  • “Identidades Africanas nos Tempos do Tráfico Transatlântico de Escravos”, projeto que visa mapear os povos africanos que vieram para o Maranhão.
  • “Mulheres rurais e movimentos sociais no sul global”, projeto cuja pretensão é comparar o Movimento das Quebradeiras de Coco Babaçu do Maranhão com o Rural Woman Mouvement (Movimento das Mulheres Rurais) da África do Sul.
  • “Nos meandros da caboverdianidade e do luso-tropicalismo: as proximidades políticas, culturais e literárias entre Brasil e Cabo Verde”, projeto que visa analisar a formulação discursiva que ganhou força no final do século XIX e que motivou debates inflamados de poetas, escritores e políticos, que buscavam ressaltar as similitudes políticas e culturas entre África e Brasil.

Atualmente, o grupo conta com 15 bolsistas e vários estudantes voluntários nas suas ações de pesquisa e extensão. Para mais informações sobre o grupo no Diretório do CNPQ, clique AQUI.

Para conversar com os coordenadores, encaminhar email para neafrica.ma@gmail.com

nov 01

Professora do Campus Bacabal defende doutorado

A professora Viviane de Oliveira Barbosa defendeu ontem (31/10/13) sua Tese de Doutorado. O trabalho “Mulheres do babaçu: gênero, maternalismo e movimento social no Maranhão”, foi defendido na Universidade Federal Fluminense, sob orientação da Profa. Dra. Suely Gomes Costa.

Posts mais antigos «